quarta-feira, 19 de junho de 2019

Sessão nostalgia – Festival de Talentos das Escolas Publicas do Ceará – Ano 2001; por Silvinho Neto

Foto: Arquivo Pessoal
Dentre uma breve retrospectiva do ano de 2001 existe alguns fatos que me marcou e trago na lembrança do meu baú de memórias. Mesmo sendo vagas as recordações, ainda lembro do dia que o empresário Silvio Santos foi sequestrado, um dia depois do sequestrador entregar sua filha Patrícia que também havia sido sequestrada. O crime só teve fim com chegada do então Governador de São Paulo Geraldo Alckmin na casa do apresentador que garantiu a segurança do bandido para que se entregasse.

Recordo do acidente de ultraleve do musico e cantor Herbert Viana quando o avião que pilotava caiu no litoral do Rio de Janeiro. No acidente, o vocalista do Paralamas perdeu sua esposa e ficou paraplégico. 

Naquele mesmo ano perdemos uma das maiores interpretes brasileiras. De voz inconfundível Cassia Eller faleceu em 2001 na sua melhor fase da carreira.

Outra grande perca que recordo com clareza foi à morte do Beatle George Harrison. Ele foi o guitarrista da banda de Liverpool antes mesmo do grupo se tornarem os Beatles. 

O nosso Jorge com J também nos deixou. O mais ilustre dos baianos, Jorge Amado escritor de obras como Tieta do agreste, Dona flor e seus dois maridos e Gabriela Cravo e Canela faleceu também no ano de 2001.

Falou-se também naquele ano no racionamento de energia, a chamada crise do apagão pela falta de planejamento e investimentos na geração de energia do Governo do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Por falar em Politica naquele ano O ex Governando de São Paulo Mario Covas morreu vitima de Câncer. 

Aí teve o fatídico 11 de setembro que não só me marcou, mas deixou uma cicatriz no mundo inteiro, quando terroristas sequestraram aviões de passageiros e os jogaram contra as torres gêmeas em Nova Iorque e no pentágono na capital do Estados unidos Washington D.C. Um outro avião que ficou conhecido como voo 93 foi derrubado pelos próprios passageiros antes de chegar ao seu destino que era a casa branca.

Horas depois dos ataques o presidente Bush declarou guerra ao terro mirando os países do Iraque e Afeganistão. 

Não é só de coisas ruins que me recordo, por exemplo, apesar da dramática classificação nas eliminatórias, a seleção brasileira de futebol conseguiu ir a copa do mundo no ano seguinte e ser pentacampeã. 

Neste ano o vôlei masculino comandado por Bernardinho foi campeão da liga mundial. Giba, Geovani, Mauricio, Dante, Gustavo e Rodrigão faziam parte daquele timaço.

O campeão brasileiro de futebol foi o Furacão. O atlético Paranaense deixou todo mundo pra trás e ganhou a final do São Caetano, num campeonato que os 8 primeiros colocados disputavam as próximas fases. 

O nosso Guga então primeiro do mundo conquistava pela 3ª vez o torneio de Roland Garros na França.

O Alemão Michael Schumacher foi tetra na F1 e o brasileiro Hélio Castro Neves venceu as 500 milhas de Indianapolis.   

Pra ter gravado tudo isso, de fato, esses acontecimentos de alguma forma se tornaram inesquecíveis, porem, no ano de 2001 não existe lembrança mais acessa do que a do FESTAL – Festival de Talentos das Escolas Publicas do Ceará.

Era um projeto do Governo do Estado voltado para os alunos das escolas publicas em que pudesse explorar os talentos nas mais diversas modalidades. 

As etapas eram divididas por regiões e suas Coordenadorias Regionais de Desenvolvimento da Educação – CREDE e funcionava nos  moldes de uma olimpíada como atletismo, tênis de mesa, vôlei, basquete, xadrez, teatro, handebol, salto em distancia, futebol de campo e futsal.


As escolas faziam seletivas e definiam seus times para primeira fase. Ganhando a primeira etapa aí então, eram formadas as seleções de cada cidade para ir para fase regional até chegar à etapa final que era em Fortaleza. 


Na fase do CREDE 20 que tem como sede Brejo Santo, nossa cidade se destacou com um time de futsal que chamava atenção pela facilidade de jogar e as goleadas aplicada nos times adversários. Na fase de classificação para o Regional o time Sub 15 de Brejo Santo foi campeão com folga. Enfrentou Jati e venceu com um placar de 5x2, depois foi à vez de Penaforte com um placar elástico de 9x0 para Brejo Santo.  Milagres também ficou pelo caminho quando perdeu de 7x2 e a final contra Porteiras com mais um placar de 5x2.

O time comandado pelo Técnico Estecio tinha uma rotina diferente de treinos. Falo isso por que fiz parte dessa equipe que levo comigo no coração.  Os treinos começavam as 22horas e muitas vezes entravam pela madrugada. 

Queríamos muito o titulo regional, era a primeira vez que alguns dos atletas iriam jogar fora da cidade, tudo era novidade.  O time era muito unido e aguerrido e era formado assim: GOLEIRO – Werbert (Betinho), BECK’S  - Kilmer, Cleto, Etim, Diego - ALAS  - Daniel, Waguim – PIVO – Wellington e Silvio( Eu).

Fomos pra fase Regional em Crato e o primeiro jogo foi contra Caririaçu onde vencemos por 5x0, conquistando a vaga na final contra o temido time de Juazeiro.


Foi um jogo trucado, parecia Brasil e Argentina. Estávamos a um passo de conquistar mais um sonho e Estecio soube trabalhar essa parte emocional muito bem. Queríamos chegar a Fortaleza e nada ia nos impedir. Juazeiro saiu na frente no placar, empatamos com Wellington e viramos comigo. Em seguida Juazeiro iguala novamente, mas no finalzinho Cleto carimba o passaporte para as fases finais. Brejo Santo Campeão Regional sub 15.

Credenciados para as finais e de quebra ganhamos um dia de diversão no Beach Park. Costumo dizer que pobre é bicho sem sorte. Tínhamos o maior parque aquática da américa latina só pra nós, porém o dia que escolheram para o passeio era chuvoso e pasmem, até fazia frio. Parece brincadeira, mas quando íamos descer nos brinquedos estávamos trêmulos de frios e quiçá de medo também.

Era hora de treinar e focar na competição. Nosso primeiro desafio foi contra a cidade anfitriã. Goleamos Fortaleza por 7x2. Já no dia seguinte enfrentamos Tamboril e mais uma vez aplicamos uma goleada 5x2. Fomos pra semifinais onde até aqui não havíamos perdido pra ninguém, mas a derrota chegou onde não poderíamos perder. Enfrentamos Pentecostes e há quem diga que entramos de salto alto. Apesar dos triunfos anteriores e, chegar onde chegamos, por tudo que vivemos... Considero essa derrota como um dos maiores “baques” da minha vida. 

Horas depois do jogo mal olhávamos um para o outro. Era uma choradeira só. Todos nós muitos jovens, longe de casa. A ficha veio cair sobre a oportunidade que deixamos passar. Mas ficou um grande laço de amizade que perdura daquela época até os dias de hoje. Tudo que foi vivido valeu a pena.

Um ano depois já nos jogos InterLiceu Brejo Santo veio a ser campeão estadual. Mas isso fica pra próxima mateira.

*Silvino José da Cruz Neto – Especialista em segurança publica, Cabo da Policia Militar do Estado do Ceará – Graduado em Administração Publica pela Universidade Estadual do Ceará - UECE.

2 comentários:

  1. Olá caros leitores, realmente Silvio um ano para ficar na memória, principalmente dos moradores do bairro Taboqueira, pois se não estou enganado, foi neste 2001 que um homem tirou a vida da sua esposa e filhos no referido bairro, homem este que fora anos mais tarde capturado e levado a júri popular na cidade de Brejo Santo.

    Parabéns pela publicação, lembro muito bem destes jogos, estas fotos nos ajudam a reviver...

    ResponderExcluir
  2. Belas (outras nen tanto)recordções!sugiro procurar nos colégios,fotos e arquivos do alunos para o próximo post.Abrços.

    ResponderExcluir